19 março 2006

V Passeio Pedestre das Mós

À segunda foi de vez… O V Passeio Pedestre das Mós integrado na Quinzena da Amendoeira em Flor, agendado para o dia 19 de Fevereiro e que por causa da chuva tinha sido adiado, realizou-se hoje dia 19 de Março.

O dia amanheceu cinzento, mal-humorado, como quem acorda duma noite mal dormida, mas isso não constituiu força bastante para contrapor à vontade participativa das três dezenas de almas gémeas que escolheram as Mós, num domingo de manhã, para exercitar o corpo e o espírito. Embora na Cruzinha se abrissem os guarda-chuvas para proteger da água-molha-tolos que nos acompanhou nos primeiros dez minutos a subida do Val do Coixo (primeiro teste à resistência dos mais fracos) bem cedo se percebeu que S. Pedro das Mós queria participar também na caminhada. E a sua presença foi sentida “calorosamente” quase todo o tempo do percurso… Quando, no lugar idílico da Quinta de Valmampaz, se pensou numa fotografia de grupo para a posteridade, ficavam já para trás registos de outros lugares também míticos, lugares de sonho e de minério, lugares de canseira e de suor, mas plenos de recordações. Lugares como: Barreira, Val de Quente, Poio, Caminho Velho de Freixo-de-Numão, Ribeiro de Valmampaz, Pena Fria e Curujeiras, fazem igualmente parte duma memória colectiva que é obrigatório não apagar. Pelo lado sul regressou-se a aldeia, e abriram-se os guarda-sóis. Era hora do almoço... Este ano, com o medo de que a chuva pudesse estragar o tempero do rancho, o repasto confeccionado (como sempre - e bem) pelo “Chefe Polido”, foi marcado para o salão da junta de freguesia. Trazer à lembrança, na data comemorativa do dia do pai, os locais de trabalho e os caminhos calcorreados pelos nossos antepassados, é querer celebrar o Homem universal, é homenagear um povo que, com o seu esforço, fez próspero cada palmo de terra cultivado. Tempo de contemplação para uns, tempo de nostalgia para outros, mas tempo de convívio e partilha para todos, o “Passeio Pedestre das Mós”- pela qualidade de informações adjacentes trazidas à memória - pertence já ao grupo de iniciativas merecedoras do nosso aplauso e do apreço de todos.


Comments:
Que belo passeio. De manhã chuvoso ao almoço radioso. Este trabalho fotográfico traz-nos à lembrança o passado das Mós, com imagens de lugares com muita história. por outro lado, leva-me a pensar nas potencialidades turísticas que o Valemanpaz e, designadamente,a Quinta localizada nesse vale oferece, com os benefícios que daí poderia trazer às Mós. Daqui lanço um repto aos homens de negócios, invistam aqui.
 
Concordo plenamente com a ideia do José Alberto. A Quinta de Valmampaz está localizada num lugar lindíssimo, e o vale que a circunda é de uma beleza impar.
Aconselha-se uma visita com olhos de ver avaliando todas as suas potencialidades turísticas.
Não se há-de arrepender quem ali quiser investir.
 
José Alberto, grande ideia essa do Valemampaz.
 
Estas fotos estão por ordem cronológica da realização do passeio?
Não sei como se sai para nascente, e depois se surge a sudoeste- no Valmanpaz!?!
Andaram muito ou tenho que estar triste que já não conheço a minha MÓS?
 
uupppsssss......Valmampaz
 
Cara amiga Tita, é porventura, originária das Mós ou com ligação afectiva à nossa Terra, mas peço-lhe desculpa pela indiscrição, gostava de saber efectivamente a que família pertence. Quanto ao já não conhecer as Mós, há que regressar a esta terra, pois motivos não faltam para a visitar. Daqui lhe lanço o desafio, vá as Mós no dia 30 de Abril, participar no Encontro-Convívio dos Naturais e Amigos das Mós, onde esperamos juntar algumas centenas de convivas, cujo programa do convívio já foi solicitado aos autores dos sites Mosenses a sua divulgação.
Quanto à ordem cronológica das fotografias, tiradas por Carlos Pedro, está correcta, pese embora me parecer que a máquina não se encontrava com o relógio no horário correcto. mas deixe-me perguntar uma coisa, apenas viu as fotografias da página principal, ou viu a totalidade da galeria fotográfica. Quanto ao percurso, permita-me descrevê-lo: partimos da Sala de Visitas das Mós (O Terreiro) em direcção ao S. Amaro, na Cruzinha viramos pelo Vale-do-Coxo até à Barreira seguindo a meia-encosta até ao Poio e daqui para o Valemanpaz, de seguida até à Sede da Junta de Freguesia.
Pense no convite que lhe enderecei, não queira fazer parte dos poucos ou nenhuns que vão estar ausentes no convívio, onde inclusive, a organização está a envidar todos os esforços na organização de um autocarro de Lisboa até às Mós.
 
Assim está bem. Com a descrição do passeio e com as fotos da galeria fotográfica, reconheci.
Reconheci o lugar, e o caminho muitas e muitas vezes feito com os meus avós: Joaquim Moutinho e Luz Barandas.
De quem é a Quinta do Valmampaz?
 
Cara Tita, já tenho uma ideia de quem você é. Mas desculpe, não aludiu ao meu desafio. Fico contente por ter contribuido para o reconhecimento da sua parte de lugares que afinal lhe são familiares. Deixe-me dizer-lhe uma coisa: A maior e mais grata homenagem que pode prestar aos seus antepassados, no caso os seus avós, é continuar a vir às Mós, valorizando assim o seu passado. Vai ficar surpreendida com dinâmica e capacidade mobilizadora que, uma aldeia desertificada foi capaz de gerar, criando sinergias para potenciar o turismo nas mais variadas vertentes.
Se porventura reside em Lisboa, contacte um dos Mosenses que está no program do convívio.
 
josé alberto
Estamos quites.
Esqueci-me de referênciar que não posso ir ao "Encontrão", pois nem sequer estou em Portugal,(mas tambem já prometi à minha prol que um dia destes vamos ver a terra de onde conto imensas histórias).
Por outro lado fiquei sem saber de quem é " A Quinta ".
 
Bem. Cara conterrânea, permita-me que assim a apelide. Peço desculpa por não ter efectivamente, satisfeito a sua curiosidade, quanto à actual posse da Quinta do Valemanpaz, mas na realidade, segundo dados recolhidos este fim de semana junto de alguns Mosenses, ela mantem-se na posse da mesma família de apelido Correias, residentes em Foz-Côa.
É com grande orgulho que registo cada vez mais o interesse pelas Mós, e desigandamente a procura de notícias actuais, concerteza que tudo isto se deve à janela que a internete abriu ao mundo para divulgação das Mós. Peço que desculpe a minha imodéstia, mas a Associação de Cultura de Recreio "As Mós", também ten tido um papel relevante. Por isso para que esta prestimosa colectividade se torne ainda mais rica faça-se também sócia, deixando aqui o seu endereço que posteriormente lhe enviaremos uma proposta para inscrição, será a forma de se ligar ao seu passado.
Obrigado e até uma próxima oportunidade
 
Nasce no monte
a àgua fresca e pura.
Corre na fonte
e os lábios vem beijar.

Assim, as Mós,
para nós
é a ternura...
é sonho que perdura...
alegra e faz cantar.
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?